Shirin Neshat
1957, Qazvin, Irão

Shirin Neshat nasceu em 1957, em Qazvin, (Irão). Atualmente, vive e trabalha em Nova Iorque, EUA. Neshat deixou o Irão para estudar arte em Los Angeles em 1974, pouco antes da Revolução Islâmica Iraniana; só regressou em 1990. Nessa altura, Neshat começou a fotografar-se usando o chador, ou véu. Em 1983, a lei islâmica ditou o uso do chador para as mulheres. Muito do trabalho de Neshat examina as implicações físicas, emocionais e culturais das mulheres veladas no Irão.

Desde a sua primeira exposição individual, na Franklin Furnace em Nova Iorque em 1993, Neshat tem sido apresentada em exposições individuais na Whitney Museum of American Art (1998), no Art Institute of Chicago (1999), no Dallas Museum of Art (2000), no Kunsthalle Wien em Viena (2000), no National Museum of Contemporary Art em Atenas (2001), no Walker Art Center em Minneapolis (2002), no Hamburger Bahnhof, no Museum Für Gengewart em Berlim (2005), no Stedelijk Museum (2006), e na National Gallery of Iceland em Reykjevik (2008). Também participou na Bienal de Veneza (1995 e 1999), Trienal Austríaca de Fotografia em Graz (1996), Bienal de Sydney (1996 e 2000), Bienal de Joanesburgo (1997), Bienal de Istambul (1998), Carnegie International (1999), Bienal de Whitney (2000), Moving Pictures at the Solomon R. Museu Guggenheim (2002), Documenta 11 (2002), ICP Trienal de Fotografia e Vídeo no Centro Internacional de Fotografia em Nova Iorque (2003), e Lights Camera Action no Museu Whitney de Arte Americana em Nova Iorque (2007). Desde 2000, Neshat também participou em festivais de cinema, incluindo o Festival de Cinema de Telluride (2000), Festival Internacional de Cinema de Chicago (2001), Festival Internacional de Cinema de São Francisco (2001), Festival Internacional de Cinema de Locarno (2002), Festival de Cinema de Tribeca (2003), Festival de Cinema de Sundance (2003), e Festival de Cinema de Cannes (2008).

A artista ganhou alguns dos mais prestigiados prémios para filme como, o First International Prize na 48ª. Venice Biennale (1999); Hiroshima City Museum of Art, Hiroshima, Japão (2005); Silver Lion no Festival de Cinema de Veneza (2009); Cinema for Peace Special Award, Hessischer Filmpreis, Alemanha (2009), entre outros. O seu trabalho está representado em várias coleções públicas, como TATE Britain, Londres; Musée d’art contemporain de Montréal, Montreal; MACBA, Barcelona; Solomon R. Guggenheim Museum, Nova Iorque; The Art Institute of Chicago, Chicago; MCA Chicago, Chicago; International Centre of Photography, Nova Iorque; Broad Contemporary Art Museum, Santa Monica; Fondazione Sandretto Re Rebaudemgo, Turim; 21st Century Museum of Contemporary Art, Kanazawa; Fundación Telefónica, Madrid; Fondazione querini Stampalia ONLUS, Veneza; ARKEN Museum for Modern Kunst, Copenhaga; MUSAC, León.

As fotografias e vídeos de Shirin abordam a liberdade individual sobre o ataque da opressão das ideologias sociais. Durante grande parte da sua carreira, Neshat esteve exilada do Irão, pelo que o seu olhar enquanto ‘outsider’, enfatiza o rigor que a lei Islâmica tem sobre as mulheres iranianas e sobre o seu dia-a-dia. Mais do que ícones de opressão, as mulheres são indivíduos complexos com desejos e ambições enquanto equilibram os seus pensamentos e emoções privadas e o envolvimento político, público. A colaboração tem desempenhado um papel importante ao longo da carreira da Neshat; a cantora e compositora Sussan Deyhim e a cineasta Ghassem Ebrahimian contribuíram para muitas das suas obras, enquanto Passage foi um projecto conjunto com o compositor Philip Glass. Em 2003, o Laboratório de Argumentistas do Instituto Sundance ajudou Neshat a desenvolver e iniciar a produção da longa-metragem Mahdokht (2004), uma adaptação do romance de Shahrnush Parsipur Women Without Men; o argumento é uma colaboração entre Neshat e a autora, e a cinematografia é de Darius Khondji, que também rodou Tooba. Desde 2003, Neshat tem continuado a investigar os temas centrais (religião, violência, loucura e género) e personagens em Women Without Men através de séries fotográficas como Zarin (2005) e o filme Faezeh (2008).

OBRAS

Obras Selecionadas

Algumas das

Exposições

Exposição Colectiva | Maré

Sob o título “Maré”, a presente exposição toma como ponto de partida o núcleo dos artistas representados pela Galeria Filomena Soares.

Notícias

Nenhum Resultado Encontrado

Não existem artigos correspondentes nesta secção.

morada

Rua da Manutenção nº 80 (Xabregas)
1900-321 Lisboa | Portugal

Autocarro: 718, 728, 739, 742, 759

Horário

Terça-feira a Sábado das 10h às 19h
Domingo e Segunda-feira: Fechado

contactos

info@gfilomenasoares.com

T: +351 218 624 122
Chamada para a rede fixa nacional

M: +351 962 373 956
Chamada para a rede móvel nacional

Redes sociais

Newsletter

Nenhum Resultado Encontrado

Não existem artigos correspondentes nesta secção.