Carlos Garaicoa
B. 1967 Havana, Cuba

Carlos Garaicoa nasceu em Havana, Cuba onde estudou termodinâmica e posteriormente pintura no Instituto Superior de Arte de Havana (1989 – 1994). Atualmente vive e trabalha entre Havana e Madrid. Garaicoa realizou inúmeras exposições individuais, incluindo Lunds Konsthall e Skissernass Museum, Lund (2019); Parasol Unit Foundation, Londres (2018); Fondazione Merz, Torino (2017); MAAT, Lisboa (2017); Azkuna Zentroa, Bilbao (2017); Museum Villa Stuck, Munique (2016); Nasjonalmuseet, Oslo (2015); CA2M Centro de Arte Dos de Mayo, Móstoles, Madrid (2014); Fundação Botín, Santander (2014); NC-Arte e FLORA ars + natura, Bogotá (2014); Kunsthaus Baselland Muttenz, Basel (2012); Kunstverein Braunschweig, Brunswick, Alemanha (2012); Museu de Arte Contemporânea, Instituto de Pesquisa em Arte, Tampa (2007); H.F. Johnson Museum of Art, Cornell University, Ithaca, Nova Iorque (2011); Stedelijk Museum Bureau Amsterdam (SMBA), Amsterdam (2010); Centre d’Art la Panera, Lérida (2011); Centro de Arte Contemporáneo de Caja de Burgos (CAB), Burgos (2011); Museu Nacional de Arte Contemporânea (EMST), Atenas (2011); Inhotim Instituto de Arte Contemporáneo, Brumadinho (2012); Caixa Cultural, Rio de Janeiro (2008); Museo ICO (2012) e Matadero (2010), Madrid; IMMA, Dublin (2010); Palau de la Virreina, Barcelona (2006); Museu de Arte Contemporânea (M.O.C.A), Los Angeles (2005); Biblioteca Luis Ángel Arango, Bogotá (2000). Fez parte de eventos internacionais de prestígio como as Bienais de Havana (1991, 1994, 1997, 2000, 2003, 2009, 2012, 2015), Xangai (2010), São Paulo (1998, 2004), Veneza (2009, 2005), Joanesburgo (1995), Liverpool (2006) e Moscovo (2005), as Trienais de Auckland (2007), San Juan (2004), Yokohama (2001) e Echigo-Tsumari (2012); Documenta 11 (2003) e 14 (2017) e PhotoEspaña 12 (2012). Em 2005, Garaicoa recebeu a Fundação XXXIX Prémio Internacional de Arte Contemporânea “Pierre de Monaco” em Monte Carlo, e o Prémio Katherine S. Marmor em Los Angeles.

Garaicoa desenvolveu uma abordagem multidisciplinar para abordar questões de cultura e política, particularmente cubana, através do estudo da arquitetura, urbanismo e história. Concentra-se num diálogo entre arte e espaço urbano através do qual investiga a estrutura social de nossas cidades. Através de uma ampla variedade de materiais e suportes, Garaicoa critica a arquitetura utópica modernista e o colapso das ideologias do século XX. Desde o início dos anos 90, Garaicoa variou entre fotografia, performance, desenho, escultura, instalação, texto e vídeo para comentar a reflexão e o efeito da arquitetura sobre a realidade política, económica e cultural das cidades. Embora faça referência a outras metrópoles internacionais, grande parte do seu trabalho critica as políticas arquitetónicas decretadas em Havana na sequência da revolução de 1959, que travou novos projetos e negligenciou edifícios mais antigos com uma necessidade desesperada de preservação. Em obras iniciais como “39” de 1991 e “Homenagem aos Seis” de 1992, Garaicoa fotografou as suas intervenções no ambiente urbano, captando as mudanças e subsequentes reações humanas. A fotografia “Sem Título (Anjo Decapitado) ” de 1993 revela uma estátua sem cabeça de um anjo aos pés do que outrora fora um grande corrimão, mas que agora se encontra abandonado dentro de um corredor coberto de poeira; a queda desta utopia é claramente atribuída por letras em negrito que indicam “FIDEL” no centro da fotografia. Garaicoa também criou grandes complexos de modelos arquitetónicos entre 1998 e 2002, utilizando materiais variados como a decoração da casa em cristal, lanternas japonesas, e velas acesas. Na Documenta 11 em 2002, Garaicoa apresentou uma série de modelos arquitetónicos com fotografias a preto e branco correspondentes; o otimismo e o potencial implicado pelas maquetes brilhantes e limpas contrastaram cruelmente com as fotografias revelando o estado real de dilapidação dos próprios locais. Na sua prática mais recente, Garaicoa criou dípticos justapondo uma fotografia a preto e branco de um edifício com outro em que esse edifício foi extraído; neste último, o artista implica a presença fantasmagórica da estrutura com uma rendição do edifício em cordel e pinos. E Em 2018, deu início a sua Série Puzzles. Garaicoa utiliza imagens de uma Cuba Urbana, e por cima constrói o seu puzzle, que o acaba por destruir e nunca terminar. De uma destruição orgânica, para uma destruição metafisica, para uma destruição autêntica. Nesta dicotomia de construção / destruição reside Carlos Garaicoa, que nos assalta os sentidos com as suas exímias narrativas.

OBRAS

Obras Selecionadas

Algumas das

Exposições

Carlos Garaicoa | Contrapeso

24.Set.2022 | 12.Nov.2022
A Galeria Filomena Soares tem o prazer de apresentar a exposição CONTRAPESO de Carlos Garaicoa.

morada

Rua da Manutenção nº 80 (Xabregas)
1900-321 Lisboa | Portugal

Autocarro: 718, 728, 739, 742, 759

Horário

Terça-feira a Sábado das 10h às 19h
Domingo e Segunda-feira: Fechado

contactos

info@gfilomenasoares.com

T: +351 218 624 122

M: +351 962 373 956

Redes sociais

Newsletter

Nenhum Resultado Encontrado

Não existem artigos correspondentes nesta secção.