Rui Ferreira

Temperatura

2007-04-19 | 2007-06-15

 

 

RUI FERREIRA
Temperatura

19 de Abril a 15 de Junho

 

A Galeria Filomena Soares tem o prazer de apresentar Temperatura, uma exposição de novos trabalhos de Rui Ferreira, que irá inaugurar a 19 de Abril e decorrerá até 15 de Junho de 2007.

Apresentada na Sala II da galeria, Temperatura reúne uma série de novas pinturas de Rui Ferreira que surgem na sequência de um trabalho iniciado há cerca de cinco anos. Pertencente à mais novíssima geração de artistas portugueses, Rui Ferreira tem, desde então, desenvolvido um trabalho centrado na prática e experimentação da pintura que nos sugere alguns momentos da Op Art ou do Informalismo da década de 1950.

Apesar da importância do processo técnico na pintura de Rui Ferreira, este não lhe interessa como um fim, mas como impulsionador de inúmeras possibilidades pictóricas. Neste sentido, são os desvios decorrentes da própria execução que constituem cada pintura e que geram novas variantes no seu trabalho. As várias telas resultam de sucessivas combinatórias e sobreposições de camadas de tinta acrílica que formam listas predominantemente horizontais e verticais, onde é possível observarmos pormenores complexos e improváveis que dão origem a uma monocromia pulsante, quando observadas a uma maior distância. Esta grelha esbate-se e complexifica-se à medida que o número destes layers se multiplica, à semelhança de uma acumulação de sons produzidos com o auxílio de computadores. Muitos dos nomes das suas pinturas são, aliás, retirados de títulos de músicas actuais de influência electrónica e minimal ou próximas do techno ou do metal progressivo, e acabam por ser apropriados pelo artista como processo de catalogação.

A composição das pinturas assenta numa paleta de cores muito vivas e, por vezes, quase ácidas, onde predominam o magenta, o laranja, o azul, o amarelo ou o verde. Deste modo, as suas obras, ao causarem um efeito hipnótico e uma forte vibração retiniana, estimulam uma relação sensorial com o olhar num permanente jogo de experimentação perceptual.

A exposição é acompanhada por um catálogo que inclui a reprodução de trabalhos de 2003 a 2007, bem como um texto de Carlos Vidal sobre a obra de Rui Ferreira.

Rui Ferreira (n. 1977, Achada), licenciado em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (2005), tem, desde 2002, realizado várias exposições, entre as quais se destacam: Salão Europeu de Jovens Criadores 2004, Montrouge, Sant Cugat e Amarante e Finalistas de Pintura da Faculdade de Belas Artes, Galeria Mitra, Lisboa, tendo sido seleccionado este ano para o Prémio Fidelidade Mundial Jovens. Pintores, Culturgest, Lisboa.
Está representado na colecção da PLMJ e AIP (Associação Industrial Portuguesa), em Lisboa.