Carlos Motta

Nefandus

2013-06-01 | 2013-10-09

A Galeria Filomena Soares apresenta Nefandus, a exposição individual do artista nova-iorquino Carlos Motta (1978, Bogotá, Colômbia), patente do dia 12 de Junho até ao dia 14 de Setembro, 2013. O artista estará presente na inauguração a 11 de Junho às 21.30h.

 

Nefandus apresenta uma série de trabalhos que exploram a imposição de categorias epistemológicas europeias para com as culturas nativas durante a conquista portuguesa e espanhola das Américas. A exposição inclui fotografia, escultura e vídeo, em que todos falam de temas tomados como "exóticos", "selvagens" ou "nativos". Os trabalhos da exposição desafiam estes conceitos e pedem narrativas alternativas à história colonial.

 

O eixo central da exposição é Nefandus (2013), um vídeo narrativo que investiga a (homo)sexualidade pré-Hispânica. Enquanto tem vindo a ser documentado que os conquistadores fizeram uso do sexo como arma de domínio das tribos indígenas, pouco é conhecido acerca das suas tradições homo-eróticas. Como é que a moralidade Cristã, da forma como foi ensinada pelas missões Católicas e propagada na guerra durante a Conquista, transformou a relação dos nativos com o sexo? Nefandus; Latim para impuro, abominável ou inominável, era a palavra mais comum na América Latina Colonial referente ao pecado. Um pecado nefando (do qual não se pode falar) era um crime transgressivo de natureza sexual, tal como a sodomia, severamente julgado e castigado. O vídeo sugere que as construções da sexualidade e do corpo não podem ser projectadas para as culturas cujas tradições e histórias se mantêm desconhecidas e que têm sido mediadas pelas classificações Europeias.

 

Outros trabalhos na exposição questionam o projecto da modernização por meio de descrições elegíacas do falhanço. Como o Santa Maria (2013), uma pequena réplica escultural do maior navio de Cristóvão Colombo quebrada ao meio, trazendo à memória o seu naufrágio perto da ilha de Hispaniola - um evento que impediria o navio de alguma vez regressar a Espanha; ou Taxonomy of the Wild (2013), uma grande grelha de fotografias de murais decrépitos que representam animais cujas caras e corpos aparecem em diferentes estágios de decomposição. As fotografias lembram noções idealizadas do que era entendido como "selvagem" nas sociedades coloniais.

 

A exposição também apresenta trabalhos referentes a técnicas de subjugação de grupos indígenas. As instalações The Spirit and the Flesh e Instrument representam instrumentos de tortura desenvolvidos durante a Inquisição Espanhola; e as fotografias Fortes Coloniais representam vistas da linha do horizonte do oceano através de janelas de fortes coloniais - espaços muitas vezes usados como fortes de defesa e para controlar a distribuição de mão-de-obra escrava e nativa.

 

Nefandus pergunta qual seria a consequência de reclamar categorias históricas e inscrevê-las com novos significados - através da especulação, pesquisa ou imaginação - de forma a obter uma maior liberdade social para o presente.

 

Nefandus é a primeira de duas exposições sobre este tema. A segunda parte deste projecto será apresentado na Galeria La Central, em Bogotá, (Colômbia), em Outubro de 2013.

 

O vídeo Nefandus foi o vencedor do Prémio Catalonia Hotels 2013, aquisição do Screen Projecto / Loop e cedido ao Museu de Arte Contemporânea de Barcelona - MABCA, Espanha, pelo júri: Valentijn Byvanck, Bartomeu Marí, Mark Nash e Dirk Snauwaert.