Murder Letters

Carol Bove , Dan Colen , Gardar Eide Einarsson , Hanna Liden , Nate Lowman , Adam Mcewen , Josh Smith , Agathe Snow , Dash Snow , Banks Violette , Aaron Young , Curador: David Rimanelli

2008-04-03 | 2008-05-10

MURDER LETTERS
CAROL BOVE | DAN COLEN | GARDAR EIDE EINARSSON | HANNA LIDEN |NATE LOWMAN | ADAM MCEWEN | JOSH SMITH | AGATHE SNOW | DASH SNOW | BANKS VIOLETTE | AARON YOUNG

Curador: David Rimanelli
03.04 - 10.05.2008

"Murder Letters" é uma exposição colectiva que apresenta onze proeminentes jovens artistas naturais de Nova Iorque: Carol Bove, Dan Colen, Gardar Eide Einarsson, Hanna Liden, Nate Lowman, Adam McEwen, Josh Smith, Dash Snow, Agathe Snow, Banks Violette, e Aaron Young. O espírito livre e/ou dissoluto está em jogo em muitos casos.

A mise-en-scene de "Murder Letters" é uma cidade de Nova Iorque de memória, um local real / imaginário, onde o passado e o presente, a realidade e a ficção, colidem incessantemente e são recombinadas frutuosamente em configurações por vezes perversas. Imagine pessoas selectas em bares pobres, pessoas pobres em bares selectos, ruas opulentas sujas, neuroses abstracto-expressionistas obsessivas, etc.

Carol Bove trabalha essencialmente em escultura; a sua obra reflecte sobre imagens de ilusão de óptica da cultura dos anos 60 e 70, uma vez que continua a entregar informação ao presente. Dan Colen ensaia sobre a paisagem fantasma do glamour e desuso urbano através de trabalhos em que utiliza vários suportes. O trabalho de Gardar Eide Einarsson delineia uma ténue ligação entre a miséria e a meditação teórica refinada. Os trabalhos de fotografia e vídeo de Hanna Liden exploram a intercepção entre o sublime, o imaginário da História da Arte e a cultura jovem contemporânea e iconográfica. As pinturas e esculturas de Nate Lowman proferem uma reflexão subtilmente desajustada, das celebridades/desastre da cultura contemporânea. Adam McEwen explora as divagações da prática da Arte Conceptual com respeito a fenómenos contemporâneos e históricos. Josh Smith esforça-se para continuar a tradição da abstracção estética na face do seu ostensivo encerramento e finalização. As fotografias e colagens de Dash Snow são simultaneamente documentários e poesias relacionadas com a loucura moderna. As esculturas, instalações e performances de Agathe Snow, são repletas de inquietantes escavações do reportório de imagem do "Coração da Cidade". As esculturas de Banks Violette jogam com convenções do minimalismo e a arte pós-minimalista, sugerindo a todo o tempo, o acesso ao denso inconsciente do presente. As obras de Aaron Young, com origem em performances, exploram a ideia de violência, luxúria e masculinidade.


David Rimanelli